sonzinho: Stone Sour – Say you’ll Haunt Me

Anúncios

livros e leituras: Destruindo Marte

As Crônicas Marcianas foi o último livro que li. E preciso compartilhar porque foi uma experiência sensacional. Na verdade ainda estou meio embasbacada com o livro, publicado em 1954 As Crônicas Marcianas é um agrupamento, do célebre autor Ray Bradbury, de contos sobre a ambição de conquistar o espaço. O livro carrega em si vários fantasmas deixados pela Guerra, da bomba do fim do mundo e do espírito para com o outro da Guerra Fria. Os contos trazem muitas possibilidades de reflexão sobre os mais diversos temas inerentes a sociedade que vivemos. Como a relação com o “outro”, as ambições, as hipocrisias, os comportamentos, as contradições e limitações humanas e em certa medida institucionalizadas. Após Marte ser subjugada e colonizada os personagens tem de lidar  da melhor forma possível com tudo isso, a humanidade e suas repetições viciosas, em poucas paginas, muitas vezes, assustadoras.

75d031683754c016e5beb5772ef8df25

Ray Bradbury não possuía formação academia, mas isso não o impediu de se tornar um dos considerados maiores escritores de ficção científica do sex XX. Ao longo da vida obteve uma produção variada entre ensaios, novelas, poesia e roteiros. Ganhador de prêmios importantes como Nebula e Hugo, National Medal of Arts (2004) e National Book Foundation.  Conhecido principalmente por sua obra Fahrenheit 451, que muitos consideram como sua obra-prima. Ray Badbury envolve com suas historias de fantasia em tom de suspense e um pouco de terror. Cada parágrafo é irresistível.

9e12e4c169f2c150dd0ad231588bb693Fiquei muito tentada a ler As Crônicas Marcianas após um professor usar alguns contos dele em uma discussão em sala. Lembro das pessoas encarregadas de discutir  o texto de Bradbury  estarem muito entusiasmadas e como sua fantasia parecia o próximo capítulo da História. Me vi obrigada a dar prioridade a esse livro ao ver meus colegas sem palavras para descreve-lo. Então, finalmente li e não me arrependo nem por um segundo empregado na leitura. É mesmo incrível e, para mim, um tanto angustiante.

ea3061baf7f49fb01b0b2be08fffbd2f

 

 

Informações do autor retiradas de http://raybradbury.com/ e http://www.infoescola.com/biografias/ray-bradbury/

escrevendinho: faculdade

Depois de vários minutos olhado para a tela do computador decidi sobre o que falar. Adoro meu curso, tinha tudo pra ser ótimo, pra eu continuar tão realizada quanto no primeiro semestre, mas não. O negócio é bizarro. Não funciona.

Busco me focar naquilo que prometi a mim mesma quando avisei minha família que iria fazer a prova do vestibular para história, eu seria boa nisso, eles teriam orgulho de mim.

Bem, estou terminando o segundo ano, não sou boa em nada e poderia jurar que sei menos coisas do que quando entrei na faculdade. Sou grata por ter aprendido coisas no estagio, tipo, o tipo de pessoa que não quero ser. E só agradeço pelo projeto na arqueologia que estou participando, onde estou aprendendo coisas que eu nem imaginaria que infelizmente a bolsa acaba esse mês. Mas meu desanimo tem uma fonte infinita, são coisas tipo: de zero perspectivas de sair de casa, de comprar um carro, de viajar ou de comprar qualquer coisa.

573934a6b0d645bc959e1736d2a8d716

Mas não é só essa falta de perspectiva financeira, o problema é também como as coisas funcionam na realidade. Ter acesso a projetos, ICs ou mesmo um estágio é bastante complicado. E ainda tenho a dificuldade de gostar de um tema que o professor que trabalha com ele e, que ainda me inspira algum interesse pelo curso, pela história,  não vai mais estar circulando pelos corredores nos próximos anos, nenhum outro professor toparia o tema. Ou, ainda,  gostar de outro tema e não ter acesso a uma outra professora, por esquemas internos do departamento que impedem que alguns professores deem aula em determinados turnos. E principalmente o problema é comigo, que tenho outra ideia, mas duvido da minha capacidade para realizar.

2ab57ed555a5213b8e1a8100abb73c8b

Alguém deveria avisar que academia, antes de qualquer coisa, é fonte de frustração. qual a sua impressão? Solução? Experiência com a faculdade ou com a escola?